Um dos campeonatos mais tradicionais do circuito de beisebol no Brasil, o Paulistão terá sua edição de 2017 começando neste domingo (5) com rodada quádrupla de jogos no Anhanguera Nikkey Clube, contando com grandes novidades para este ano. Após um torneio de sucesso em 2016, a comissão organizadora promete continuar revolucionando a competição.

O Segunda Base entrevistou Marcio Toshio Maeda, representante da organização do Paulistão, que deu detalhes do que está por vir na nova edição. Confira abaixo:

SEGUNDA BASE: Quais são as novidades do Paulistão 2017?

MARCIO TOSHIO MAEDA: Bem, vão ter algumas surpresas muito interessantes que eu não posso divulgar ainda, mas entre novidades que estão em curso, temos: a tabela de jogos que foi reformulada com relação ao ano passado, neste ano teremos 2 grupos de 4 equipes que se jogam entre si em turno e returno dentro dos grupos, depois os grupos se cruzam em turno único. As finais serão no molde de mata-mata do WBC; o Portal da Transparência, que já está online. Lá temos todos o DRE de 2016, a previsão orçamentária e o estatuto de 2017; assim como na edição de 2016, ajudamos as entidades “Camelo, Mamãe!” e “Orfanato Lar Judith”, colaboraremos neste com a ABEM (Associação Brasileira de Esclerose Múltipla) através arrecadação de mantimentos e produtos de higiene, além da divulgação do trabalho deles e também vamos manter e procurar fazer alguma melhoria no jogo dos profissionais da imprensa.

Uma outra surpresa é que não será somente no dia 05/03 em que compartilharemos o mesmo local com os jogos da LDB, estamos organizando outras datas em conjunto com a organização deles.

SB: Desde a edição do ano passado, o Paulistão vem se mostrado aberto a uma renovação, proporcionada por uma nova comissão organizadora. É uma estratégia para se aproximar do público e da imprensa?

MTM: Não diria que é uma estratégia, mas sim o lógico e o óbvio a ser feito. Um dos objetivos estipulados quando criamos a Comissão Organizadora foi a criação da cultura de se assistir jogos no Brasil, transformar a ida ao campo em uma forma de lazer e convívio. Nossa Comissão foi montada em julho de 2015 com 2 bases muito fortes, que são planejamento e organização. No momento de sua formação, nós nos propusemos a organizar 3 edições (2016 a 2018). Nossa principal ideia não é simplesmente organizar um torneio, mas sim transformar o Campeonato Paulista em uma competição autossuficiente e o nome em uma marca forte, para que assim o público em geral tenha vontade e tranquilidade de frequentar jogos de beisebol, mesmo não fazendo parte do meio.

SB: Há muito tempo se discute a possibilidade de realização de jogos noturnos. Já foi discutido com a federação e com a CBBS uma maneira de fazer com que isso se tornasse realidade?

MTM: Quando nós montamos o plano para o campeonato, um dos pontos era exatamente esse. A comissão organizadora, em conjunto com a Federação Paulista e o diretor do estádio Mie Nishi, estamos trabalhando para que os jogos noturnos saiam do papel em breve.

SB: Sobre a parceria com a LDB, no que ela consistirá? Haverá algum intercâmbio entre as equipes?

MTM: Nós da comissão organizadora estamos mantendo contato frequente e observando a LDB desde a final da primeira fase do último Paulistão, quando organizamos um amistoso entre as equipe do Furious (da LDB) e do Shida (do Paulista). No final de janeiro deste ano, um dos organizadores da LDB, o Mario Mandruzatto, entrou em contato e fez a proposta de juntarmos as 2 aberturas em uma só.No planejamento do Campeonato Paulista, a ideia era estabelecer a parceria a partir da metade do campeonato, mas achamos muito interessante, então resolvemos antecipar as ações. A princípio não temos nenhum intercâmbio programado, mas estamos com uma agenda repleta de ações em conjunto.