A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Colunas / Uma liga de Bartolos

Uma liga de Bartolos

Fã dos Mets resolveu fazer um experimento com Bartolo Colón no "The Show". (Foto: Reprodução)

Bartolo Colón é um dos jogadores mais carismáticos e populares da MLB. O veterano arremessador teve uma passagem folclórica pelo New York Mets, marcada por partidas consistentes no montinho e, principalmente, por suas idas ao bastão. Grandalhão e desengonçado, fazia tanta força para rebater que perdia o capacete e saía dando risada. Raramente conseguia um bom contato, levando os fãs à loucura. Quando conseguiu um home run, o mundo foi abaixo.

Em 2016, um torcedor dos Mets teve uma brilhante idéia: editar o game “MLB: The Show”, transformando todos os jogadores de todos os times em Bartolos Colons, deixar o computador jogar sozinho a temporada e ver no que dava. David Capobianco relatou a experiência para o site Amazin’ Avenue e, de cara, concluiu: apesar da maravilha de ter Bartolos por toda parte, sua criação destruía o jogo de beisebol.

No jogo de abertura da liga de Bartolos, Cardinals e Cubs ficaram no zero a zero por 17 entradas. O Bartolo que abriu o jogo para o time de Chicago não cedeu rebatidas por 7 innings. Uma combinação de 47 strikeouts e apenas um 1 walk até o time de Saint Louis vencer graças a um erro defensivo do rival.

Assistir à partida simulada foi uma tortura para Capobianco. Então, ele acelerou o tempo e foi fazendo paradas para avaliar a sua obra.

Apenas na primeira semana da temporada, foram 38 jogos completos arremessados pelos abridores, sendo 18 shutouts. Dois meses depois, o time com melhor média de rebatidas tinha apenas 21,5%. Era uma liga dominada pelos arremessadores (óbvio), com um ataque fraco e uma defesa horrorosa. Capobianco achou tudo uma atrocidade, mas seguiu em frente.

Chegando ao fim da temporada, ninguém bateu mais do que 5 home runs. O time inteiro dos Orioles conseguiu apenas um. Cada time sofreu mais de 2 mil strikeouts e cometeu mais de 200 erros. Mas o número mais absurdo foi o de walks. Em 2.430 jogos que formam a temporada, somente uma base por bolas foi cedida. Justamente aquela do Opening Day! Como isso é possível? Curiosamente, o verdadeiro Bartolo Colón em toda sua carreira rebatendo também anotou somente um walk.

O pior estava por vir nos playoffs. O jogo 3 da NLCS entre Cardinals e Marlins foi resolvido em 29 innings, sendo 28 deles no zero a zero. Até aí tudo bem… porque o jogo 4 prosseguiu empatado sem corridas anotadas por nada menos que 45 entradas, até ser vencido pelos Cardinals por 1 a 0. Surpreso com a capacidade do videogame de simular uma partida tão longa, Capobianco resolveu procurar outra ainda mais extensa. E encontrou. Na NLDS, os Marlins bateram os Dodgers na 63ª terceira entrada! E, em todas elas, nenhum walk foi cedido.

“O que eu fiz com o beisebol?”, pensou David Capobianco, a mente doentia por trás dessa experiência. “Mas, sabe de uma coisa? Eu não lamento. Este é Bartolo Baseball. Isto é o que seria como se todos fossem Bartolo Colón e nós precisávamos saber disso. Eu fiz isso para nós, e eu fiz isso porque Bartolo Colon é incrível e realmente precisamos de mais dele. Eu criei uma fantasia que todos nós desejamos que pudéssemos realmente ver na vida real por apenas um dia. Claro, os resultados foram tão surpreendentemente ruim que os fãs de beisebol real poderia realmente ser ofendido pessoalmente. Mas esta é a nossa imaginação. Todos nós queremos mais Bartolo.”

O experimento terminou com os Cardinals vencendo os Red Sox na World Series.

Sobre Hamilton Kuniochi

Veja também

podcast_2016

Bunt y me voy #22 – as loucuras de outubro

Nesta edição de “Bunt y me voy”, Thiago Stabile analisa as partidas decisivas das séries …

'